História e Crítica de Arte

  

Nome: A RECEPÇÃO DA TRADIÇÃO CLÁSSICA

Maria Cristina Louro Berbara

 

Descrição:

A idéia de que toda a evolução da arte ocidental, da Antiguidade até o momento presente, possa ser concebida em termos do diálogo que trava com a assim chamada tradição clássica é um topos universal da história da arte. O conceito de modernidade, neste sentido, vem sucessivamente configurando-se, em grande medida, seja a partir da emulação, renovação ou rejeição deste legado visual, o qual se define não necessariamente como um estilo determinado, mas como um auto-referente processo de incessante re-elaboração dos modelos formulados ao menos entre o período arcaico grego e o tardo-imperial romano. No âmbito deste projeto pretende-se pesquisar a recepção da tradição clássica pela arte européia e latino-americana em seu sentido lato, privilegiando-se no entanto o arco temporal compreendido entre os séculos XV e o momento presente; não se restringirá, contudo, ao academicismo ou aos movimentos denominados classicistas ou neoclassicistas (como por exemplo o classicismo avant-garde neo-impressionista, a fase clássica de Picasso ou a pintura metafísica), buscando-se antes avaliar a multiplicidade de reações ao clássico incluindo tanto correntes artísticas tradicionalmente alheias a ele quanto a elaboração do discurso histórico-artístico que o forma e define. Subjacentes ao tema desta proposta estão o próprio escrutínio e definição dos termos "clássico" ou "classicismo" e dos conceitos de "imitação" e "renovação", assim como a sua transmissão e transformação ao longo dos sucessivos momentos históricos. 

 

Nome: ARTE E POLÍTICA: Argentina, Brasil, Chile e Espanha  

Sheila Cabo Geraldo

 

Descrição:

O Projeto de Pesquisa “Arte y política: Argentina, Brasil,Chile e Espanha, 1989-2004” tem como objetivo analisar a relação dos novos comportamentos artísticos contemporâneos e as condições e atuações políticas. Participam do projeto os professores Aurora Fernández Polanco, Josu Larrañaga e Tonia Raquejo, da Universidade Complutense de Madrid. Da Universidade de Valencia, os profesores Juan Vicente Aliaga e José Miguel Cortés. Da Universidade de León, Javier Hernando. Pela Universidade Nacional de Educación a Distancia, de Madrid, Sagrario Aznar. A Universidade de Playa Ancha, no Chile, participa com os profesores Justo Pastor Mellado, Alberto Madrid y José de Nordenflycht. A Universidad de Buenos Aires com Diana Wechsler y Teresa Constantin. Universidade do Estado do Río de Janeiro com Sheila Cabo Geraldo e a Universidade de São Paulo com Daria Jaremtchuk.

O projeto pretende analisar a posição dos novos comportamentos artísticos no que diz respeito a uma redefinição que se produziu no conceito de política. Pretende, ainda, estabelecer um espaço de debate entre os países envolvidos, cujo foco central recai nas relações e nos encontros, onde possam ser analisadas as semelhanças e diferenças nos comportamentos teóricos e artísticos dos países envolvidos.Arte e Política, portanto, se apresenta como uma investigação em que os textos de história, filosofia, antropologia, teoria política e sociologia concorrem para o levantamento das contradições e para a identificação das questões e dos sentidos das obras, proposições e agências artísticas no mundo contemporâneo.

Como eixos temáticos (gerais) a nortear as pesquisas, há a proposta de se pensar a transformação da cidade e os movimentos artísticos, problematizando a instalação da noção de espaço público, mas também a privatização de importantes dispositivos ligados à definição de espaço público, o que automaticamente interfere na noção que se tem de território e paisagem.

Um outro eixo é o da imigração, da pobreza e da exclusão, que está diretamente ligado à noção de "outro" cultural em todas as suas situações, tanto fora das fronteiras, como é o caso das culturas não ocidentais, não brancas e não homogêneas, ou seja, híbridas, mas também dentro das próprias fronteiras culturais, que envolve a marginalização, os sistemas de controle do "diferente" e os problemas de gêneros. Ainda como eixo importante nesse mapeamento, temos aquele que aponta para as alterações no âmbito institucional, sobretudo com a profusão de iniciativas de auto-produção, que parece ter aberto a possibilidade de novas relações dialogais entre as instituições e os artistas não necessariamente consagrados. 

 

Nome: ESTILO E INSTITUIÇÃO: Arte e cultura contemporânea no Brasil  

Vera Beatriz Siqueira

 

Descrição:

O foco central desta pesquisa é a análise das estratégias e dos efeitos da institucionalização da arte moderna e contemporânea no Brasil, a partir do estudo de casos de e artistas significativos para a visualidade contemporânea no país. Este tema se apresenta, no quadro atual dos estudos sobre arte, de forma contraditória. De um lado, associa-se à investigação da notória precariedade de nosso sistema cultural, cujo atraso frente à modernidade internacional vem sendo sobejamente estudado por nossa historiografia da arte. Por outro lado, podemos perceber ligações entre a tal precariedade institucional e a carência de análises materiais das linguagens de nossos artistas modernos e contemporâneos. O projeto pretende investigar os nexos existentes entre o processo estético e os demais processos de construção e transformação do real contemporâneo, a partir da investigação dos mecanismos de juízo e legitimação estéticos que caracterizam o sistema de arte e hierarquizam as posições dos trabalhos e seus efeitos concretos na elaboração das obras. A pesquisa vincula-se ao Grupo de Pesquisa do CNPq “Núcleo de Livres Estudos de Arte e Cultura Contemporânea”.

 

Nome: HISTÓRIA E ARTE NO BRASIL MODERNO E CONTEMPORÂNEO  
Sheila Cabo Geraldo

 

Descrição:

O projeto se propõe a fazer uma investigação sobre a história da arte produzida no Brasil nos últimos quinze anos. A pesquisa parte de um levantamento da produção de história da arte que hoje se desenvolve na academia, como a que vem sendo realizada nos cursos de pós-graduação stricto sensu, ou seja, nos cursos de mestrado e doutorado das universidades brasileiras, tanto públicas como privadas.

Pretende-se, em um segundo momento, avaliar uma amostra dessa produção no nível especulativo, partindo da premissa de que a história da arte, mas, sobretudo aquela que se propõe a historiar a arte moderna e contemporânea, constitui um campo de conhecimento que implica a interdependência da história, da teoria artística e da crítica de arte.

O levantamento proposto será efetivado, inicialmente, através do banco de dados das universidades que tenham programas de pós-graduação na área de Artes, História da Arte ou História , assim como daqueles que tenham linhas de pesquisa em História da Arte ou que tenham alguma linha de pesquisa em que a História da Arte esteja numa relação transversal. Assim, trataremos prioritariamente os programas de Artes e História da Arte, mas também os de História, Arquitetura e Comunicação, cujas teses apresentem essas características.

Como pressuposto investigativo, que norteará não só a seleção da amostra, mas também a reflexão teórica, tem-se a constatação de que, assim como a arte, a história da arte hoje constitui um campo de conhecimento cujas interrogações concentram-se na garantia da especificidade da produção artística, mas apontam para muitas e variadas áreas do conhecimento, requerendo, assim, uma metodologia historiográfica interdisciplinar, ou híbrida. Parte-se, ainda, do princípio de que essa produção, que conjuga história, teoria e crítica da arte deve ter como projeto ser mediada pela discussão do lugar da história da arte, da possibilidade da crítica e da função da teoria na realização da arte. Tal discussão se mostra agravada pela identificação da morte dos processos produtivos de tradição moderna e pela tentativa de reposição dos procedimentos artísticos que sempre requerem uma ação produtora. O projeto de pesquisa, portanto, investiga a presença da relação entre história, teoria e crítica nessa produção historiográfica contemporânea brasileira, o que implica o repensar da história depois do anúncio da morte da arte, mas também da constatação de sua resistência. 

 

Nome: NUCLEAR - NÚCLEO DE LIVRES ESTUDOS DE ARTE E CULTURA CONTEMPORÂNEA  

Vera Beatriz Siqueira e Roberto Conduru (líderes), Marcelo Campos, Marcus Alexandre Motta, Maria Berbara

 

Descrição:

O NUCLEAR – Núcleo de Livres Estudos de Arte e Cultura Contemporânea – é um grupo de pesquisa cadastrado no CNPq que tem como principais objetivos:

Constituir um grupo de estudos e investigações que respondam às transformações contemporâneas com respeito à prática, teoria e história da arte; Intervindo com a realização de exposições, palestras e publicações, o Núcleo pretende tornar presente  

na vida universitária o debate da arte e da cultura contemporânea; Realizar e apoiar eventos e estudos na área de arte e cultura contemporânea; Agregar projetos de pesquisa e extensão na área de arte e cultura contemporânea; Desenvolver publicação virtual com artigos dos alunos e professores da UERJ, bem como de pesquisadores e estudiosos externos.

Para tal, engloba diferentes ações acadêmicas e culturais, a saber:

Desenvolvimento e/ou orientação de pesquisas no campo da arte e da cultura contemporânea, envolvendo professores, alunos e pessoas de outras instituições; Realização de eventos acadêmicos – como seminários, palestras, colóquios, cursos, oficinas etc. – ampliando o intercâmbio de informações e experiências; Publicação, na forma de livros, jornais, revistas e meios eletrônicos, de textos sobre o assunto; Realização de convênios e intercâmbios nacionais e internacionais, ampliando as parcerias com outras instituições também dedicadas ao campo da arte e da cultura contemporânea; Participação em eventos e publicações acadêmicas nacionais e internacionais. 

 

Nome: PÉROLAS NEGRAS - EXPERIÊNCIAS ARTÍSTICAS NOS FLUXOS CULTURAIS ENTRE A ÁFRICA E O BRASIL   

Roberto Conduru

 

Descrição:

Focada em idéias, práticas e obras em arte, história da arte e ensino de arte relativas às questões da africanidade e da afro-brasilidade no quadro de relações culturais entre África e Brasil, a pesquisa tem como objetivos:

Analisar dimensões estéticas, históricas, pedagógicas e culturais da arte no Brasil (especialmente a contemporânea) a partir do confronto com as questões da africanidade e da afro-brasilidade;

Estudar dimensões estéticas, artísticas, históricas e pedagógicas das práticas culturais e da cultura material das religiões afro-brasileiras, a partir tanto do estudo de rituais quanto da produção de artistas vinculados às comunidades de terreiro;

Estudar dimensões históricas e pedagógicas do sistema de arte no Brasil (centros culturais, museus, galerias comerciais e não comerciais, escolas e universidades, bibliografia) em relação ao enquadramento da produção vinculada às questões da africanidade e da afro-brasilidade;

Analisar dimensões estéticas, históricas e pedagógicas do patrimônio artístico e cultural vinculado às questões da africanidade e da afro-brasilidade existentes em instituições artísticas e educacionais, bem como na paisagem urbana. 

 

Nome: VISUALIDADE CRÍTICA  

Marcus Alexandre Motta

 

Descrição:

Este projeto busca refletir sobre a íntima manifestação da visualidade pós-moderna na criação textual de caráter crítico, de maneira a fomentar a discussão da crítica de arte como aparato literário que se faz na presença de um fenômeno artístico. Tal perspectiva, sobretudo a partir da Pop e da arte conceitual, elabora a premissa de que um texto crítico mantém, ou sofre, a influência angustiante de certas obras literárias capazes de nortear a apreensão estética. Assim, se uma escolha se dá na ação crítica de um texto, no imediato anseio da potência estética de uma obra, é porque um quadro poético especifica e alastra a sua força no âmbito da apreciação. Logo, esta pesquisa parte da aceitação de um sistema de arte que funciona segundo a perda de  parâmetros capazes de estabelecer distinções formais entre visualidade e crítica, entre herança e tarefa, entre arte contemporânea e crítica, entre literatura e filosofia da arte, entre uma e qualquer outra manifestação da arte.